Música e Alma

Música e Alma

Olá, como vão? Espero que ai onde vocês estão não esteja tão quente quanto aqui aff…

Como falei na semana passada hoje voltarei a compartilhar um pouco sobre música. Aliás, hoje ouvi no rádio que teremos Ed Sheeran no Brasil. Fui dar uma olhada e ele pretendia fazer dois shows, um em São Paulo e outro no Rio. Como os ingressos de São Paulo se esgotaram rapidamente eles programaram um segundo dia na terra da garoa. Espero que o rapaz tenha folego, porque fazer dois shows seguidos, dia 28 e 29, em São Paulo e logo no dia 30 estar no Rio para outra apresentação, sem descanso, será puxado. Espero que ele seja a mil mesmo, para não prejudicar o show do Rio. Os ingressos estão quase esgotados, tanto em São Paulo, segundo dia, quanto no Rio, enfim.

Lembram que falei sobre uma música, na semana passada, que bem poderia ser uma trilha sonora de algum filme, pois é, foi exatamente assim que conheci o Ed Sheeran, por conta de uma trilha sonora. Ele compôs a música tema do filme ” O Hobbit: A Desolação de Smaug”. A canção se chama “I see fire”. Por conta do filme fui atrás de quem cantava a tal música e acabei conhecendo o trabalho do rapaz britânico, e descobri que ele tem coisas muito bonitas.

Como veem meu gosto musical não se limita a oboés e violões, mais ou menos, já que ele toca violão em várias canções rsrs….voltando. Neste caso, o filme através da trilha sonora, me levou ao compositor e cantor e em outros casos o contrário também acontece. Quando comecei a estudar o oboé, por volta de 1995 eu comecei a procurar músicas, peças, canções, onde o oboé tivesse algum destaque para ouvir sua sonoridade com vários interpretes e assim buscar a minha própria, que naquele momento era apenas um guinchar estranho rs. Foi quando meu professor citou o filme “A missão” de 1986. Eu já tinha assistido ao filme, mas confesso que meu foco na época foi histórico, sempre me impressionou essa mania do “homem civilizado” achar que é mais do que o outro, nesse caso os espanhóis e portugueses se achando superiores aos índios guaranis, do Sul do Brasil. Impressionou-me o envolvimento da igreja na história, a absurda ideia que foi defendida que os Guaranis não tinham alma e o uso da música para provar que eles a possuíam, afinal quem podia produzir música com tal beleza não podia ser privado de uma alma. Resolvi assistir novamente o filme, apesar de achar sempre deprimente ver a mão do homem colonizador em ação e as barbáries que fazemos em nome do Pai Criador de todas as coisas, só que dessa vez com o foco na trilha sonora.

A trilha sonora foi composta por Ennio Morricone ( se alguma vez você assistiu algum velho filme de faroeste então você já ouviu o Ennio) e  teve várias indicações a prêmios. Mas o que o oboé tem haver com isso? Me explico. No filme, o primeiro missionário que consegue fazer contato com os guaranis sem ser morto é Gabriel, interpretado por Jeremy Irons. Para fazer esse milagre, quer dizer contato, ele usa a linguagem universal, a música. Na cena ele se senta e toca um oboé, neste caso um oboé barroco, que não possuía todas a chaves que um oboé moderno possui, se dá para chamar algum oboé de moderno hahaha.

A canção tocada é um trecho da linha melódica de “Gabriel’s Oboe”, traduzindo, “Oboé de Gabriel”. Uma bela canção que gostaria de ouvir com vocês.

Nesse próximo vídeo temos a mesma canção, porém desta vez com o acompanhamento da orquestra.

Existem várias trilhas sonoras memoráveis que marcaram época no cinema e nossas vidas. Não é raro que eu ouça uma bela canção e pense que ela bem podia ser a trilha sonora de alguma história, tudo é uma questão de imaginação e sensibilidade.

As vezes, quando vejo como somos destrutivos como espécie, como somos capazes de tantas barbáries, como somos egoístas e maus, me pergunto se temos de fato uma alma, ou se no curso da história a perdemos ou a vendemos, então busco intencionalmente na memória um ato de beleza, uma poesia, uma bela melodia, uma bela trilha sonora como essa e assossego as entranhas, pois como seres sem alma poderiam produzir algo tão belo? 

Abraços, PAZ

Flavia Cavalho

Tags: | | | | | | | | | | | |

0 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *